Arquivos da categoria: Novidades do Ateliê

Visita Guiada pela Rita Paiva na loja Zôdio


Peças que fiz com o tecido que recebemos da Rita durante a visita

Em janeiro, mais precisamente no dia 20/01, acompanhei a querida Rita Paiva – editora e uma das pessoas que mais entende do “mundo craft” aqui em nosso país – e mais uma grupo de 20 pessoas para conhecer a nova loja Zôdio, que abriu recentemente aqui em São Paulo, trocarmos ideias, inspirações e experiências, em uma deliciosa manhã.

E depois, ao final da visita, nos reunimos para um gostoso bate-papo sobre nossas inspirações e aspirações no mundo craft, sempre sob o olhar especial da Rita.

Logo que chegávamos na loja ao Rita nos presenteava com um pedaço de tecido cortado como uma echarpe, e a proposta era usarmos na loja para sinalizarmos o grupo durante a visita e depois cada um dos participantes deveria criar algo inspirador usando o tecido.

Eu demorei bastante para fazer o meu trabalho… mas é que os dias de ateliê têm sido curtos.

E como minhas habilidades com costura são bem limitadas, resolvi fazer aquilo que sei: um aplique de serigrafia no tecido, para formar um quadro, e um saquinho combinando, que pode ser usado para colocar saquinhos de chá, doces, balas e o que mais nossa imaginação permitir.

Abaixo segue o passo a passo do meu trabalho, “Amo Café” com inspiração Zôdio e toque “Make” da Rita:

Peguei duas serigrafias impressas em tecido, que fiz para a exposição “Amo Café” – que teve curadoria da Rita Paiva e foi exposta em alguns eventos ano passado. Além dos bastidores para a exposição, eu também tinha estampado alguns tecidos em cor crú, e foram eles que usei.

A primeira peça que fiz foi um saquinho, com uma costura bem básica e fita no passador para franzir, meu máximo em


Saquinho para doces


Quadro Amo Café

A visita foi super proveitosa, e me deixou com vontade de voltar à loja, para olhar tudo de novo e fazer compras, claro… E a manhã rendeu! Aliás, os encontro com a Rita sempre são assim, por isso mesmo que eu não poderia deixar de ir, não é mesmo?

Muito bom!
Fiquei feliz com esse trabalho feito em uma tarde e inspirado em tudo que esse encontro nos proporcionou.
Coisa boa!

Ah, sim, e para terminar o post, mais uma foto que fiz em meu ateliê, tendo o café como inspiração e uma garrafa térmica pintada por mim também para um trabalho com a Rita Paiva, para sua então revista Make, pintura em garrafa térmica da Melitta.

😀


Me aventurando em um novo conhecimento

Sempre achei muito bacana o ofício do ourives, a joalheria.
Adoro usar jóias de prata, e o que mais me chama a atenção nelas é se trabalho artesanal e as inúmeras possibilidades: prata combina com couro, com esmaltes, com madeira, texturas, desenhos.
Além disso, gosto muito de pedras semi-preciosas também.

Durante anos eu fui colecionando uma série de peças em minhas viagens (ainda vou mostrá-las aqui) e cada uma delas é uma recordação bacana de um lugar que conheci e uma amostra do detalhado trabalho de um artesão.

Pois bem, agora eu decidi entrar para esse segmento e estou fazendo um curso de joalheria artesanal, como já comentei no post em que mostro minha maleta de trabalho.


Meu primeiro pingente e a segunda peça que fiz. A primeira foi um anel.

E agora eu montei uma bancada de ourives em meu ateliê também!

Escolhi o quarto que fica para a frente, porque assim eu pude colocar a bancada bem perto da janela.
Ainda vou ver se é de fato o melhor lugar para trabalhar, mas, por hora, eu gostei!

A bancada que escolhi é uma usada, de uns 20 e tantos anos.
Comprei essa por ser mais barata e por ser igualzinha à que eu uso na escola onde estou fazendo o curso, a Espmix, aqui em São Paulo.
O fato de ser mais barata contou, claro… mas o mais bacana mesmo é que ela têm história… Adoro isso nos objetos. Nada como uma vida para tornar tudo mais especial, vocês não acham?

Essa bancada tem tudo para que eu possa fazer algumas etapas do trabalho em meu ateliê, e, assim, ganhar mais tempo útil nas aulas.

Ela tem um maçarico pequeno, um motor, para usar com o mandril e as lixas e espumas para polir, a pedra refratária para usar para aquecer o metal e fazer solda, a pinça com a terceira mão, para quando usar o maçarico, e mais as ferramentas manuais.

Estou me abituando ao uso do maçarico, que é a minha maior preocupação. E, aos poucos, perdendo o medo do fogo.
Aliás, o fogo é incrível! Estou encantada!

Vamos ver como me saio, não é mesmo?
Já fiz três peças, um anel e dois pingentes, e comecei um par de brincos.
E que venham muitas outras peças! Naturalmente vou contar tudo para vocês por aqui! 😀