O segredo das bonecas

Sim, eu brinco de bonecas.
Brinco de bonecas, e me divirto muito.

Passar uma tarde ensolarada e agradável de sábado no clube, tirando fotos das minhas bonecas.
Vestir, pentear, trocar. Arrumar, escolher, fotografar. Me encantar com suas cores e texturas, doçura e delicadeza e, assim, encher o coração de uma alegria feliz, terna.

Já me disseram que todo artista tem – ou ao menos deveria ter – uma criança dentro de si, para manter a criatividade em dia e a curiosidade acesa.
Sei lá…
O que eu sei, de fato, é que dentro de mim habita uma criança feliz, e mais ainda agora, que me entreguei a esse novo hobby.

Quando eu era criança sonhava com as bonecas que eu queria ter, com as que eu ganhava e até mesmo com as que eu imaginava, sem nunca ter visto. Brincava, arrumava, vestia, dava nomes, conversava com elas.

Nós tínhamos em casa uma coleção de livros infantis, chamava-se “O Mundo da Criança”, e adorava ficar folheando-os e lendo suas histórias e poemas muitas e muitas vezes.
Eu e meus irmãos nos divertimos muito com esses livros.

Essa coleção era uma edição claramente traduzida – provavelmente dos EUA – e em seus livros os desenhos eram todos muito característicos de lá, não apenas pelo conteúdo, com referências claras (Natal com neve, animais do hemisfério norte), como na estética também.

Os textos eram variados, alguns estrangeiros, outros nacionais, alguns eram fábulas, outros poemas.
O fato é que em seus desenhos todas as meninas tinham carinha de boneca, e eu passei a infância querendo uma boneca com uma carinha dessas também.

Hoje não tenho dúvidas que encontrei as bonecas com essas carinhas…
As Blythes são ou não são assim, como nos desenhos? Até no seu jeito de vestir: as meninas dos desenhos usam saias, aventais, vestidos sobre outros vestidos, sapatinhos com meias, botinhas e casacos…
Exatamente como as Blythes!

No meio das histórias e poemas do único livro da coleção que eu guardei, há um em especial.
Nele a menina se chama Cristina, e o poema fala dela e de sua boneca preferida, que se veste como ela.
Li inúmeras vezes essa historinha, querendo ser a menininha do desenho, com nariz arrebitado e sua boneca vestida igualzinha…

Minhas bonecas foram ótimas companheiras na minha infância e são ótimas companheiras agora também.
Não tenho dúvidas de que esses livros, com seus desenhos e textos me levaram a ser quem sou hoje, e parte de quem sou é essa, uma eterna apaixonada por bonecas.

Hoje minha grande diversão é arrumar minhas bonecas para as fotos, depois organizá-las e publicá-las aqui e no meu flickr, trocar ideias com pessoas que adoram bonecas como eu, e, assim manter sempre acesa essa paixão.
Que sorte a gente poder fazer o que sempre mais quisermos, não é mesmo?

Como digo sempre, coisa muito boa!
😀


12 comentários sobre “O segredo das bonecas

    1. Ah, Mari, obrigada! É mesmo muito bom manter nossa criança viva… e essas meninas no encantam, assim como as coisas lindas que vocês fazem para elas… <3
      Beijos!

  1. Que delicia de historinha
    como é bom a gente preservar e manter saudavel esta paixão por “brincar”
    acredito que se todos mantivessem a criança interior viva o mundo seria mais feliz
    como vc entre muitas crianças só encontram a boneca dos sonhos adultas, sorte a nossa que tem a coragem de admitir sou bonequeira!
    beijos no coração

  2. Muito bom mesmo Cris poder fazer o que gostamos, ser feliz ao nosso modo, nos divertir fazendo o que nos dá prazer. Adorei a história do livro da sua infância. Todas nós temos uma história que explica o nosso amor pelas blythes 🙂 Muito legal conhecer a sua ! As meninas das ilustrações lembram sim as blythes, principalmente nas vestimentas. Um amor!!

    1. Oi, Su Blythe Criações… eu me encantei quando as conheci, também não tinha como não me apaixonar… Sinto que minha vida ficou muito mais divertida com elas… 😀 Beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *