1 post por dia,  Pintura em Tecido,  Trabalhos Manuais

BORDADOS DO HAITI – 251

Bom dia!

Bem, vocês talvez não se lembrem, mas eu comentei em julho que estava fazendo um curso de bordados do Haiti. Demorei bastante para finalizar o trabalho, mas finalmente consegui:


Bordado que eu fiz, a flor-coração, símbolo do meu ateliê

Esse trabalho é típico do Haiti e está ligado à tradição sagrada do Vodu, que é a religião majoritária do país, uma religião semelhante ao nosso Candomblé. Nessa religião é costume o uso de bandeiras bordadas com imagens das diferentes divindades e cenas religiosas, tanto nos cerimoniais e rituais como nos templos religiosos.

Pois bem, um dos maiores mestres dessa arte, o artista Yves Telémaque esteve aqui em São Paulo, expondo seus trabalhos no Museu Afro Brasil, e também deu algumas oficinas da técnica. Eu tive a satisfação de participar de uma delas.

Na foto eu apareço ao lado dele, que está sentado. O rapaz em pé é o Daniel, que foi contratado para ser uma espécie de tradutor durante o curso. O artista só fala o crioulo, idioma oficial do Haiti, língua que mistura um pouco de francês com um dialeto africano, por isso a aula praticamente foi com mímicas. O Daniel é do Senegal, e também não fala crioulo, mas ele e o Telémaque trocavam algunas ideias em francês e ele passava para o português.

Eu fiz o trabalho acima, a flor-coração do meu ateliê como uma pequena amostra da técnica. O trabalho consiste em contornar o desenho com um fio feito de contas, miçangas ou canutilhos e depois bordar os motivos, preenchendo-os com lanetejoulas e paêtes.

Não é complicado, mas é muito, muito trabalhoso. Acho que levei umas boas 20 horas (ou perto disso) para bordar o modelo acima, e olha que ele mede 18×22 cm apenas! Imaginem quanto tempo leva para bordar uma bandeira com desenhos ricamente elaborados e cheia de detalhes, na medida de 70×90, que era o tamanho padrão dos trabalhos expostos… Nem consigo imaginar!

O trabalho é feito em um bastidor, de forma que a parte de trás do tecido fique exposta para ser trabalhada, e esse bastidor deve ter uma medida um pouco maior que o tamanho do bordado que você irá fazer. O tecido utilizado é algodão cru fino e deve ser dobrado ao meio e preso no bastidor em camada dupla. Isso é importante para dar mais firmeza ao trabalho. Em seguida fazemos o desenho do motivo a lápis.

Primeiro preparamos o fio que irá contornar a área a ser bordada. O fio é uma linha de algodão mais grossa, n.10, e passamos cera ou parafina no fio para que as contas e miçangas corram melhor. Cortamos o fio num tamanho maior do que o tamanho necessário para contornar a área desejada e vamos colocando as contas ou canutilhos nesse fio.

Depois prendemos o fio no local desejado com um linha de algodão mais fina, com fio duplo, e a cada duas contas ou um canutilho, damos uma laçada prendendo o fio com as contas no tecido. É muito importante prender o fio de forma bem firme, sem que fique solto ou frouxo. O tempo todo é bom ir puxando o fio para ver se ele está bem posicionado.

Depois de prendermos todos os contornos de uma determinada área, preenchemos o bordado com lantejoulas ou paêtes, presos com miçangas da mesma cor. Temos que prender uma por uma, e para fazer os cantos e curvas, é necessário cortar as lanetjoulas ou paêtes para que caibam no espaços e não fique nenhum espaço vazio.

Achei mais interessante ir fazendo o trabalho aos poucos, ou seja, contornando um pouco e preenchendo os espaços em seguida, para não cansar demais. O trabalho pode ser um pouco monótono quando estamos fazendo a mesma coisa em uma grande área, mas essa monotonia é também interessante – e um tanto hipnótica. É como os mantras que são entoados, repetindo sempre as mesmas palavras, a gente entra em transe fazendo esses bordados…

Para o Telémaque sempre devemos utilizar a mesma cor de miçangas e lantejoulas ou paêtes, mas eu fiquei imagindo que também deve ser bem interessante fazer um jogo de sobreposições, utilizando cores diferentes. Na verdade eu até tentei fazer uma combinação assim, mas ele não deixou. Eu ia colocar miçangas amarelinhas com os paêtes brancos, mas ele trocou pelas brancas…

Bem, na verdade esse primeiro modelo foi apenas uma experiência, um treino e prática. Já mandei fazer uns bastidores maiores e até uma mesa de apoio para os bastidores e pretendo criar minhas próprias bandeiras, aí vou poder soltar a imaginação. Nas aulas eu sou uma aluna bem comportada, acatei tudo que meu professor falou…

O que posso dizer é que adorei conhecer o Telémaque, passei duas tardes bem agradáveis com pessoas interessantes e a possibilidade de trazer mais um universo de cores para o meu ateliê – o mundo das miçangas e lantejoulas – é muito legal!

Meu próximo trabalho de bordados haitianos até já está a caminho, vou participar de uma exposição no final do ano no Memorial da América Latina e pretendo juntar técnicas de diversos países latinos das américas, inclusive esse.

Já tenho em meu ateliê um cantinho especial para fazer esse trabalho, e pretendo montar uma exposição ano que vem só com essa técnica. Como é um trabalho demorado, tenho que começar logo a preparar as peças, e penso que o melhor é ir fazendo um pouquinho por dia. Adorei aprender essa técnica, não só pelo resultado final, mas também porque esse envolvimento com um trabalho de longa duração foi bem importante, algo que acredito estava faltando para mim.

É isso, pessoal, espero que tenham gostado… E até amanhã!


6 Comments

  • Janaina

    Oi Cristina,

    Muito interessante este trabalho.É muito rico,acho como todo artesanato da nossa America latina.
    quando eu estou fazendo minhas artes, me desligo do mundo…é tão bom, relaxante…não tenho pressa de acabar logo, sempre coloco algum detalhe a mais…

    Parabéns! o seu trabalho ficou lindo.

    Bjão.

  • maria antonina galvão de sá sangiorgi

    cara mia se vc vier á sao luis vc vai adorar a festa do boi eles bordam todas as roupas nesse estilo,é de uma riquesa de detales que vc precisa vir aqui en junho,a pimeira vez que vi fiquei tão emocionada que chorei.sou artesã e sei quase todas as tecnicas,de bordados simples, estou sempre pesquisando tecnicas de bordados adorei seu trabalho.parabens.

    • Cristina Bottallo

      Olá, Maria Antonina, que legal! Nossa, entendo perfeitamente como você se sentiu, eu também me emociono muito com o trabalho incrível de artistas como o Yves Telémaque. Obrigada, seu elogio ao meu trabalho é muito especial. Eu conheci São Luís na passagem desse ano, e adorei. Mas preciso voltar lá nas festas do Boi… Um beijo grande e bem-vinda ao meu blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *