Arquivo da tag: como organizar seu trabalho em artesanto

Entrevista Encantário – Mimos e Bibêlos

Hoje eu trouxe a entrevista que fiz com a Ana, do Encantário, um sonho de ateliê.

O Encantário é um projeto da designer e arquiteta Ana Lubianca Gersenzon, cuja proposta é unir conhecimento em design e arquitetura de interiores com peças exclusivas do tipo “hand made”. Seus trabalhos trazem inspiração dos tempos de sua infância, com muitos bibelôs diferentes, e sua loja, um sobrado restaurado de 1948, traz inúmeras surpresas para aqueles que a visitarem.

Assistam ao vídeo abaixo:

No Encantário você encontra acessórios,objetos de decoracão, adesivos de parede, roupinhas, lembrancinhas e muitos outros mimos e bibêlos criados pela própria Ana ou desenvolvidos por pequenas empresas, artesãos e ONGs de diversas cidades brasileiras. Para serem “encantados” todos os produtos do Encantário são feitos à mão. Os bordados, crochets, tricots e papier mache recebem nosso selo exclusivo “hand made for babies”.

E a surpresa mais bacana dessa entrevista ficou por conta do convite que a Ana fez ao final: ela trabalha com a terceirização de mão de obra e está sempre buscando artesãs talentosas e qualificadas para a produção de suas peças, então se você é boa bordadeira, entre em contato com ela.

Contato – Encantário
contato@encantario.com.br
Tel. 11-3804-6333
www.encantario.com.br


Guia Bons Negócios – Oportunidades de vendas

Guia Bons Negócios – Como montar seu próprio negócio em artesanato
Por Cristina Bottallo

A venda de seus produtos

Vamos considerar que você já esteja trabalhando em sua própria produção e pretenda partir para sua comercialização. Veja a seguir uma série de sugestões de como atuar no mercado e várias dicas para você acertar nas vendas:

1. Participar de Feiras e Exposições de Artesanato
Participar de uma feira de artesanato pode ser um excelente caminho para você divulgar e vender seus artesanatos. O público que frequenta as feiras costuma ser bem interessado e você não precisa investir muito, em geral há apenas uma taxa fixa de participação, já que a maioria dessas feiras é organizada em locais públicos e pelas prefeituras, embora existam também feiras em eventos, shoppings e até mesmo em empresas.

Para participar dessas feiras, sobretudo as realizadas em locais públicos, normalmente é feita uma seleção pelo órgão que a organiza para que o artesão comprove que realmente faz os produtos que pretende comercializar. O artesão deverá também escolher apenas uma técnica para comercializar e em alguns casos ainda é preciso que o artesão se cadastre e tire uma licença na prefeitura para poder expor seus produtos.

Já as feiras organizadas por empresas privadas têm suas próprias regras de seleção e de cobrança de taxas, por isso você deverá se informar em cada local para avaliar as possibilidades. As feiras em shoppings ou eventos podem ser uma excelente opção, uma vez que costumam oferecer melhor infra-estrutura e um público com poder aquisitivo maior.

E fica aqui uma dica: se suas cidade for turística, melhor ainda. As feiras públicas são verdadeiras atrações nesses locais, e os turistas são consumidores potenciais de artesanato, sobretudo regional.

2. Montar um bazar em casa para a venda dos produtos prontos

Montando um bazar em sua própria casa você não tem apenas a vantagem de estar trabalhando por sua conta, mas também terá o prazer do contato direto com seus clientes, podendo avaliar o que eles procuram e ir adequando sua produção aos interesses dos mesmos. É importante lembrar que essa atividade requer que você trabalhe com uma gama muito grande de produtos, de forma que você possa oferecer o maior número de artigos aos seus clientes.

Veja a seguir as dicas para a montagem do seu bazar:

• Separe em sua casa um local reservado para montar seu bazar permanente, mantendo-o sempre bem arrumado e apresentável.
• Mantenha um estoque bem variado de peças e faça uma decoração de acordo, destacando os artigos que você faz.
• Aproveite as ocasiões mais propícias para a venda de artesanatos, como o Natal e Dia das Mães. Cerca de duas semanas antes dessas datas, ofereça um chá às suas clientes, enviando convites e informando quais as novidades que você preparou para a data.
• Personalize seus produtos, criando embalagens diferentes e que valorizem os produtos que serão vendidos.
• Lembre-se que um bazar deve sempre oferecer produtos diferenciados a um preço também especial. Você tem que convencer seus clientes de que vale a pena comprar seus produtos, e o preço é sempre um ótimo argumento.

Dica importante: a melhor propaganda de um bazar permanente é a divulgação boca-a-boca, portanto capriche na qualidade e no acabamento dos seus produtos, procurando agradar ao máximo sua clientela.

3. Produzir um determinado artigo ou uma linha específica de produtos para revenda em outras lojas

Essa alternativa é interessante para quem pretende trabalhar exclusivamente com uma linha de produtos, fornecendo-os para lojas que irão revendê-los. Para conseguir os contatos com os lojistas, você pode elaborar catálogos e enviá-los às lojas que achar interessadas em comercializar seus produtos.
Uma preocupação que você deve ter neste caso é com a questão do preço de venda. Você irá vender para lojistas, certamente terá de fazer um preço menor que o oferecido aos clientes diretos. Normalmente os revendedores pedem uma margem de desconto na faixa de 30 a 50% do valor do produto no varejo, mas isto não é regra e pode ser negociado diretamente entre você, o produtos e seu revendedor. O que você precisa ter em mente é o mínimo preço pelo qual você deve vender para cobrir seus gastos e obter seu lucro.

Dica importante: Muitas lojas propõem trabalhar com artesãos em regime de consignação. Nesse caso, você deixa seus produtos na loja interessada em vendê-los por um determinado período, e depois é feito um acerto das peças que eventualmente foram vendidas. Você deve estabelecer uma porcentagem do preço de venda que ficará com a loja.

A vantagem desse ramo é que você pode direcionar todo o seu trabalho para uma só técnica, o que vai ser de muita utilidade para quem está apenas começando e não quer fazer grandes investimentos. Ao trabalhar com apenas uma determinada linha de produtos, você economiza montando um estoque mais enxuto e pode ter um controle maior do que necessita para mantê-lo.

Dica importante: uma boa ideia para que seus produtos causem uma boa impressão aos revendedores é a personalização da sua marca. Crie um cartãozinho com um logotipo seu, destacando o caráter artesanal daquele produto. Muitas vezes pequenos detalhes como esses fazem uma grande diferença na hora de entrarem no mercado.

4. Produzir sob encomenda uma determinada linha de produtos para sua própria clientela

Nesse caso você também vai determinar um certo tipo de produto ou linha de produtos, só que irá oferecê-los diretamente aos consumidores. Você vai precisar de um bom mostruário ou catálogo e deverá estabelecer as condições para o pedido de uma encomenda, como solicitação do pagamento de um sinal, estabelecendo um prazo para entrega e criação dos produtos exclusivos para cada cliente.

Dica importante: o sinal pedido no ato de uma encomenda normalmente equivale à metade do valor total do pedido.

Estas são as principais formas encontradas para você divulgar seu trabalho e eu aconselho que você utilize-as simultaneamente, de maneira a ampliar ao máximo seu mercado consumidor. Quando você já estiver com uma outra forma mais estabelecida, poderá avaliar a melhor forma de atuar no mercado, aquela que lhe oferece um melhor retorno e possibilidades de crescimento.

5. A importância da Internet

Hoje em dia contamos com uma ferramenta muito importante para a divulgação de nosso trabalho e para a busca de novos contatos, que é a internet. Você pode – e deve – criar um espaço seu, sua página, que pode ser um blog, um site ou uma página em sites de fotos como o flicker. Nesse espaço você poderá criar um mostruário de peças, divulgar eventos, como bazares ou feiras dos quais irá participar e divulgar seus contatos. Mas saiba que para ter uma loja virtual você também precisará de registros, licenças e um CNPJ, ou seja, terá que formalizar seu negócio. E se esse ainda não é o melhor momento para fazer isso, utilize a internet apenas de maneira informal. Futuramente você poderá investir em sua loja, uma forte tendência nesse segmento.

E o mais importante de tudo, imagine que você poderá combinar todas as alternativas acima para desenvolver seu trabalho e vender sua produção. Naturalmente você não precisa ficar limitada (o) a apenas uma das possibilidades, combine-as da maneira que lhe for mais conveniente. Os bazares, por exemplo, são sazonais, ou seja, funcionam em datas específicas, por isso você pode combiná-los com feiras ou com a venda direta. Assim, as possibilidades serão muitas…

Mas nossa conversa não se esgota por aqui. Ainda vou falar mais sobre venda por consignação, sobre como se cadastrar em cooperativas, como fornecer nota fiscais sem ter um CNPJ e muito mais. Continuem acompanhando…