Arquivo da tag: livro de artista

“Quando o corpo pede um pouco mais de alma”…

Olá, pessoal, boa tarde!

Peço licença ao Lenine, de quem sou fã incondicional, para usar uma de suas frases no título do meu post de hoje. Sim, tem hora que o corpo pede mais um pouco mais de alma, e foi essa a inspiração do caderno que irei mostrar a vocês hoje – aliás, a inspiração veio dessa música e da minha coleção de Divinos (na foto abaixo) também.


Parte da minha coleção de Divinos

Mas, antes de mostrar o caderno, conto que sigo aqui, reclusa em meu ateliê, trabalhando com nunca… Semana que vem vou participar de um evento especial e estou correndo para finalizar tudo. Muito trabalho, mas feliz e realizada, afinal esse é um projeto, ou melhor, um sonho antigo.

Muito bom!
Mas meu corpo está pedindo um pouco mais de alma, juro, juro! E pensando nisso resolvi escrever para vocês um pouco, afinal, isso me dá um tantão mais de alma, acreditem…

Pensando nisso tudo, nada melhor do que mostrar meu mais “cheio de alma” caderno artístico, o caderno “Divino”:


Caderno Divino

Eu já mostrei esse caderno para vocês antes, já publiquei o passo a passo em revista, já o apresentei na tv… ou seja, esse post não é novidade, mas vou começar mostrando com mais detalhes as páginas que fiz e posteriormente novas páginas virão.

O caderno que usei é um desses cadernos simples, tipo brochura e de capa dura. Eu desmontei o caderno separando o miolo da capa, retirei a película plástica da capa, pintei tudo com base acrílica para artesanato e depois fiz uma pintura manchada com sal e tinta aquarela líquida.

E para decorar a capa eu fiz uma colagem/bordado com tecidos pintados a mão e engomados com termolina, para que não desfiassem ao ser recortados.


Primeira página dupla do caderno

No verso da capa e na primeira página do caderno eu fiz uma pintura com aquarelas líquidas também, mas na primeira página eu também trabalhei com tinta guache branca, aplicada com um pincel de cerdas duras e sobre a pintura aquarelada já bem seca. Raspei o pincel na página, com a tinta guache branca sem diluir, e ela deu um acabamento meio de pátina no papel.


Detalhe da página com texto

Depois eu usei canetinhas coloridas e tinta guache para pintar os desenhos e barradinhos da página, sobre o fundo já bem seco, naturalmente. E com uma caneta preta de escrita fina escrevi o texto.


Detalhe da página com desenho

Ah, também colei uns pequenos corações de papéis coloridos feitos em furadores de scrapbooking. E para finalizar, peguei a cera em pasta na cor prata e passei em toda a página, bem pouco, com as pontas dos dedos, só para realçar mais o efeito de pátina envelhecida que dei ao papel.

Adoro Divinos! Tanto que eles são tem de uma coleção em minha casa, coleção que está crescendo, e espero, nunca deixe de crescer, assim como nossas almas.


Sonhar… por que não?

Oi, pessoal, boa noite!

Nossa que calor! Eu tinha me programado dormir cedo hoje para descansar um pouco mais – tenho trabalhado o dia todo de pé, fazendo minhas serigrafias (aliás, preciso contar as novidades para vocês, aguardem!) e com esse calor, no final do dia meus pés ficam inchados e minhas pernas doem, doem, doem…

Tenho calos nas mãos de tanto imprimir (só hoje foram 7 cores impressas de dois trabalhos de uma série de 18, que ao todo devem somar umas 120 impressões vezes o número de provas, vezes o número de cores… sei lá umas 19.000 impressões, que significam dezenove mil vezes puxando e empurrando a tinta com o rodo, dezenove mil vezes colocando o papel, dezenove mil vezes colocando o papel para secar… Muita coisa! E tudo isso tem que ficar pronto até o dia 22 de fevereiro.
Aiaiai… Será que vai dar?

Bem, como eu estava dizendo, estava pensando em dormir cedo, mas com esse calor, impossível! Nem posso me queixar muito, já que para o trabalho esse tempo é melhor, mas que calor!

E como não consegui dormir, fiz mais uma página dupla do meu caderninho:


As pessoas precisam voltar a sonhar…


Porque sonhar vale a pena.

A dupla página foi bem fácil de fazer: pintei o fundo com giz pastel em várias cores, depois colei os recortes de revista (a mandala também foi retirada de uma), e finalizei com apliques para scrapbook em formas de flores e círculos. Ah, e letras também, para escrever a palavra “sonhar”.
Fácil e rápido, levei menos de 10 minutos para terminar. Bom demais!

Eu achei essa chamada “As pessoas precisam voltar a sonhar” em uma revista, era uma matéria que falava da importância de sonharmos, literalmente, durante o sono. Eu, em geral, durmo bem e sonho bastante, me lembro dos meus sonhos, e alguns são muito curiosos, meio óbvios até, mas bem interessantes…

Mas não é só esse tipo de sonho que importa, sonhar acordado é muito bom também, e meu trabalho nesse momento, que é bem “braçal”, me permite sonhar bastante acordada. E como eu tenho uma imaginação incrível, enquanto trabalho, fico viajando e sonhando acordada…

Enquanto estou fazendo as impressões os movimentos tornam-se mecânicos e por isso posso ficar pensando em todas as coisas bacanas que ainda quero e espero fazer. Fico me imaginando fazendo essas coisas, fico vendo essas coisas prontas e aí… bem aí parece muito mais fácil que elas aconteçam.
Isso é sonhar, não? Sim, mas sonhar fazendo, para que as coisas se realizem de verdade.

É isso… só um pouquinho de conversinha no final de uma noite bem quente. Boa noite. E até a próxima!