Arquivo da tag: serigrafias

QUADRO COM COLAGEM DE SERIGRAFIAS

Olá, amigas (os), boa noite…

Passei o dia tentando escrever aqui, mas acabei não arrumando muito tempo, o negócio foi deixar para agora, bem a noitinha. Mas o que vale é a publicação, não?

Hoje eu trouxe uma sugestão de colagem com serigrafias, um quadro:


Uma paisagem com colagem

Esse trabalho eu fiz para o Prêmio Artesão do Ano, que aconteceu durante a Mega, em junho passado. Eu fui indicada para as categorias Decoupagem e Pintura Decorativa, e esse quadro foi o trabalho que enviei para a categoria Decoupagem.

A moldura, de MDF e com um quadrado rebaixado na parte central, foi pintado com tina acrílica decorativa branca, três demãos, intercalando secagem. Como a peça é de MDF, não é necessário lixar nem passar fundo ou base, podemos aplicar a tinta acrílica diretamente na peça.

Depois de pintar tudo de branco, fiz uma pátina lixada em tom de azul turquesa. Para fazer a pátina, dilua a tinta acrílica na cor desejada com água na proporção de 50% de tinta e 50% de água. Aplique a cor apenas na borda lateral da moldura, deixe secar bem e lixe com uma lixa 220, deixando aparecer parte do fundo branco. Limpe com um pano para retirar o pó.

Bem, aí é só recortar gravuras e colar, soltando a imaginação. Eu uso as minhas serigrafias, vocês estão cansadas (os) de saber, mas dá para fazer com qualquer tipo de figura, papel para decoupagem, foto de revista, papel para scrapbook, figurinhas de álbum, desenho feito a mão…


Mesmo trabalho, outra luz, outra foto…

Essa peça não é na verdade uma decoupagem. Acho que a gente fez muita confusão com essa técnica, com essa denominação. Esse é um trabalho de colagem. Decoupagem é quando a gente cola uma figura que se integra à peça, sem deixar que a gente saiba o que é colagem o que é a peça. E eu não faço esse tipo de trabalho, faço colagem mesmo.

Reconheço que adotei o nome decoupagem para facilitar, porque os trabalhos em revistas e TV são reconhecidos e catalogados assim, ninguém pede para você um trabalho de colagem, pedem sempre um trabalho de decouapagem. Mas eu acabo de decidir que vou adotar o nome correto daqui para frente. Quando eu, eventualmente, fizer uma decoupagem de verdade, irei chamar assim. Caso contrário, é colagem mesmo.

Só para esclarecer: eu usei várias serigrafias diferentes para fazer esse trabalho, gravuras em tamanhos diferentes, com temas diferentes. Como sempre uso o mesmo papel para minhas gravuras, o Debret 200g/m2 (gramatura), posso usá-las em conjunto, o acabamento fica perfeito. Isso porque se usarmos papéis diferentes, mais grossos ou finos, com ou sem brilho, pode ficar meio esquisito…

Ah, e para finalizar, algumas partes da colagem receberam a sobreposição de gravuras, coladas com fita banana. E esse trabalho que eu faço não é arte francesa, é colagem em sobreposição (ou 3D). Arte Francesa é quando as gravuras, exatamente iguais e coladas sobrepostas, são trabalhadas, modeladas, para ficar com volume e forma. No meu trabalho apenas colo as figuras umas sobre as outras.

É isso aí, pessoal, uma ideia, alguns esclarecimentos…
Beijos e até mais!

Lembrando dos trabalhos do passado

Oi, pessoal, boa tarde!

Ando aqui bastante ocupada trabalhando em meus novos projetos, mas sempre que tenho um tempo dou uma olhadinha nas coisas que já fiz e achei um trabalho bem interessante que acho que não tinha mostrado para vocês ainda:


Monotipia feita com telas de serigrafia

Esse trabalho foi feito com telas de serigrafia gravadas com formas geométricas, na verdade quadrados e retângulos em tamanhos diferentes e impressas como nas técnica de monotipia, em impressões únicas.

Nesse trabalho eu sempre começo fazendo o retângulo maior me um tom mais neutro, o cinza, e no tamanho maior, delimitando na folha de papel a área principal da gravura. Essa impressão é a única feita em série, preparo sempre umas 50 folhas, mais ou menos…

Depois começo com com o primeiro elemento, normalmente o maior, que no caso da gravura acima é o retângulo em preto. Faço retângulos em preto em muitas das 50 folhas, mas sempre variando a posição, ou seja, sem ficar a tela na mesa. Coloco a tela direto no papel, na posição desejada, e imprimo.

Na sequência faço o mesmo com os outros elementos, variando as formas e as cores. E deixo a impressão “falhar” de propósito, pressiono de forma desigual e imprimo sobre as cores ainda úmidas, criando “fantasmas” na imagem. É divertido também, bem solto…

Costumo finalizar imprimindo um detalhe menor, um retângulo estreito, por exemplo, apenas com o verniz brilhante da tinta vinílica. As tintas que uso são foscas, por isso o verniz, que é incolor, se destaca apenas pelo brilho. Na foto não dá para ver muito bem, mas fica bem bacana na gravura.

Já fiz um série grande dessas monotipias em serigrafias, participei de exposições com elas e sei que esses trabalhos estão decorando muitos escritórios por aí… É bem diferente do meu trabalho que vocês costumam ver por aqui, mas é bem legal também. E mais antigo. O primeiro dessa série fiz em 1986. Juro!

E já apliquei essa técnica em telas, em um pintura abstrata que está em uma das revistas de telas que ofereço… também ficou legal, para quem gosta de pintura abstrata, é uma ótima opção.

Bem, por hoje é isso, pessoal… Logo volto com novidades. Até lá!