Conversando

Bonecas de Papel… quem se lembra?

Olá, amigas!
Ok, olá para meus amigos também…
Mas hoje estou pensando mais em minhas amigas, meninas como eu que compartilharam uma brincadeira muito divertida, criativa e de mãos habilidosas, com a nossa cara. Sim, meninos também podiam gostar da brincadeira, é verdade… Mas aposto como éramos, em geral, meninas…


Minha bonequinha de papel preferida

Há alguns anos trás, uns 10 anos, talvez, eu encontrei em um sebo algumas dessas revistinhas de bonecas de papel de recortar. Fiquei muito surpresa na hora, afinal, fazia tanto tempo que eu não via e nem me lembrava mais dessa brincadeira que havia feito parte de toda minha infância, a brincadeira de recortar as bonequinhas de papel e vesti-las com suas roupinhas, que me dei conta que havia passado uns bons anos sem nem sequer me lembrar de o quanto gostava delas… E, naturalmente, comprei uma para mim.


Roupinhas…

Eu tinha virado mãe, dona de casa, micro empresária, por muitos anos não havia mais espaço em minha vida para brincar de bonecas. Mas… será? Eu nunca deixei de gostar de bonecas, na verdade… E até tinha voltado a colecionar minhas bonecas de pano. Mas essas bonequinhas de papel… Ah, havia lago de especial ali. E hoje eu entendo muito bem o que era…


Mais roupinhas…

Era o gosto pelo trabalho manual também, afinal a gente tinha que recortar a bonequinha, recortar as roupinhas, montar a estrutura, imaginar o cenário… E eu fazia verdadeiras casinhas com caixas de papel vazia, que eu imaginava que eram os armários, improvisava cabides de arame para pendurar as roupinhas, fazia até caminhas de papel para aquelas bonecas.


E a roupa de princesa…

Me lembro que meu pai sempre nos levava, eu e meus irmãos, à banca de jornais aos domingos, era dia de ganhar uma “revistinha”. E eu sempre escolhia essas, ou quase sempre. Me lembro que havia uma variedade de coleções, e elas tinham nome! Essa coleção, da “Vanessa”, era uma das minhas preferidas. Eu gostava mais das menininhas com carinhas de meninas de livros americanos, eram tão diferentes de nós (acho que essas coleções eram importadas, apenas traduzidas e impressas aqui no Brasil). Elas era diferentes porque usavam roupas que nós não usávamos, como botas e casacos para neve, capa de chuva com gorrinhos diferentes, luvas… Ah, e havia sempre uma roupa de princesa, como o modelo acima, e aí então eu viajava mesmo… Me imaginava a própria princesa!


Suporte para montar a bonequinha… a gente já fazia um tipo de scrapbook na época, não é mesmo?

Lembro que algumas publicações vinham com as imagens das outras bonequinhas em miniatura na contra capa, para você acompanhar e ver que modelos já tinha e que modelos poderia ter, lembro de ficar comparando os nomes de cada uma delas… Havia aquelas que eu gostava mais, as que eu gostava menos (as que tinham carinhas de bebês eu não gostava tanto…). Lembro que sempre levava essas bonequinhas comigo quando ia passar as férias no sítio do meu avô, e que acabava perdendo ou estragando as bonecas de papel, mas sempre queria outra. E assim foi, por anos e anos… Me lembro até de uma que meu pai trouxe de uma viagem para fora do país, viagens que eram muito raras na época. Ele encontrou uma que se chamava Cristina, e que se parecia muito comigo. Ou pelo menos na minha cabeça de criança parecia…

Ah, bons tempos, que saudades! Eu achei essa revista em meu baú de coisas muito especiais que tenho em minha casa, no meu quarto, dia desses, quando estava procurando um livro antigo. Agora, para completar a “sessão nostalgia”, só falta eu encontrar uma daquelas galinhas de brinquedo que botavam ovinhos de e vinham numa caixinha que imitava um viveiro. Minha mãe sempre comprava para a gente na feira, que fazíamos todos os sábados… Alguém se lembra? Que saudades!


19 Comments

  • ANA MARIA

    Eu me lembro dessas galinhas… Minhas colegas tinham, eu não… tive uma infância muito pobre, não tinha condições de ter. eu só sonhava vendo os outros brincarem… Quando alguém dividia o brinquedo, entrava em êxtase… Não sei, acho q hoje a molecada não brinca com o mesmo sabor q brincávamos… Eu já brinquei com essas bonecas de papel, mas era da coleguinha…Não me queixo, pq tive uma infância muito feliz, brincando muito na roça q morava… como brinquei com terra, era tão bom! Quantas artes,he,he… bjão!!

    • Cristina Bottallo

      Ai, Ana Maria, que legal! Eu ADORAVA essas galinhas, e sei como foi para você. Não que tenha sido igual, mas eu ia para o sítio do meu avô, em Minas, e as meninas da cidadezinha próxima não conheciam muitos dos nossos brinquedos, mas se divertiam bastante com a gente… E sabe que eu morria de vontade de morar na roça, como elas, como você? Achava lindas aquelas casinhas simples, ao pé do morro, e para mim a vida delas era muito mais interessante, elas usavam vestido o tempo todo, trabalhavam, sabiam cozinhar e costurar. Eu só tinha que ir para escola, achava chato, sem graça. Veja como são as coisas, né? E sim, acho que hoje as crianças não brincam como nós, o que é uma pena. Aquelas galinhas faziam até com que eu me lembrasse do sítio do meu avô, eu queria morar lá. Juro!
      Beijos, Ana, bom falar com você.

  • Maristela Crosariol

    Nossa Cris…por alguns momentos viajei de volta à infância…eu gostava muito dessas bonecas de papel.
    Me lembro que quando os pescoços delas ficavam molinhos (de tanto eu brincar), eu os enrolava com durex.
    Foi muito bom lembrar daquele tempo…até me emocionei.
    Bjos.
    Fã nº 6…(rsrsrsrs)

    • Cristina Bottallo

      Pois é, Maristela, foi exatamente isso que aconteceu comigo quando achei essa revistinha no meu baú… uma viagem no tempo! Ah, como era fácil viver naqueles tempos, não? Saudades… Eu também colocava durex nos pescoços das bonecas, e ficava meio frustrada quando ia recortar e errava… Hoje a gente têm muito mais habilidade, não é mesmo? Bom lembrar dessas coisas e compartilhar com vocês. Obrigada pelo carinho, Maristela, adoro o “fã n.6”. Vc é muito querida!

  • Luciene Ap Alves Martins

    Nossa viagem total no tempo… me desfiz da minha coleção depois de casada, dei para a filha de uma funcinária que nunca tinha ouvido se quer falar dessas bonecas…
    Fazia a mm coisa com o pescoçinho delas, kkkk
    Nossa adorei achar vc no face e esse contato tão próximo com alguém que para mim era tão distante… também sou sua fã, adoro ver suas apresentações na tv!!!
    Um grande abraço e obg pelo carinho das lembranças tão queridas da infância

    • Cristina Bottallo

      Pois é, Selma, eu encontrei essa revistinha por acaso, tive essa mesma surpresa de voltar ao passado e resolvi compartilhar com vocês… Legal, bom saber que gostou. Beijos…

    • Cristina Bottallo

      Não é mesmo uma coisa muito legal, Eni? Essas bonequinhas de papel eram demais. Por que será que as meninas de hoje não curtem? Vai entender… Beijos.

  • Cida Mendes

    Ai Cris, que saudades dos tempos de criança… Subi em muita árvore, comi frutas, passeava pelo sítio que fui criada dos 4 aos 7 anos com meu cachorro Pega, lindos tempos. Quando vim para a cidade tive uma amiguinha que o pai era considerado ‘rico’ prá época e ela me apresentou essas bonecas de papel. daí pra frente desisti da revistinha ‘Recreio” para ter minhas bonecas… Nós que amamos artesanto sempre gostamos, desde pequenas, de coisas de recortar, montar e usar a imaginação. Lá se vão 32 anos que brinquei pela última vez com minhas fofinhas de papel… Mas de boneca mesmo deixei de brincar depois dos 16 anos, e pq tinha vergonha por estar namorando rsrsrsrs… Bons tempos que não voltam mais… Obrigada por nos fazer recordar!!! Bjks!!!

    • Cristina Bottallo

      OI, Cida! Eu adorava levar minhas bonecas de papel para o sítio do meu avô, Cida… Eu também brinquei de boneca já namorando, e tenho bonecas até hoje, gosto de comprar e de ganhar… é bom mantermos nossa criança viva em nós… Eu pelo menos não vejo por que não ser assim… 😉 Beijos!

  • dineia morais

    cris minha colega tinha uma boneca que se chamava laura ela era loira e carregava um cesto de flores munca mais vi gostaria de saber se voce ja viu obrigado

  • Eliana

    Ola. Procuro ha muitos anos essa boneca. Tive ela e amava de paixao. Seria muito abuso pedir q publicasse todas as roupinhas dela? Lembro q ela tinha muito mais q essas tres paginas…se puder, sera uma gde alegria pra mim!!!!
    Obrigada desde ja!

  • Claudia N Marcone

    Bateu nostalgia, agora. Lembro de uma que chamava Zezé. Procuro que procuro e …. nada… a propaganda vinha na contracapa dos gibis . Procurava na banca de jornal, nunca tinha. Na internet também não achei. Frustrada…. kkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *